24 de dezembro de 2009

A Repetição

A todos os que me são caros
A todos os que entraram neste blog
A todos os que são meus amigos, colegas, parceiros
A todos os que me odeiam

Que o Natal seja feliz, que tenha tudo do bom e do melhor não só na mesa como na vida inteira

E que 2010 seja melhor que 2009.

E por mais que as palavras sejam muito parecidas com as tantas repetições, tenha certeza que essas são sinceras.

A todos, muito obrigado por este ano, e que nos encontremos no próximo.

GODSPEED YOU!

21 de dezembro de 2009

Unplugged

Tive uma despesa interessante semana passada. Pela primeira vez, comprei uma agenda que já está sendo usada, mesmo que o ano a qual se destina esteja á alguns dias de distância. Ela já tem meu primeiro compromisso do novo ano, a lista de livros e discos que pretendo obter no ano a chegar.

Mas o lance mesmo foi um caderninho.

Tenho estado muito ocupado em meu trabalho, onde cobranças e afazeres se avolumam. Por isso, meu blog está ás traças, o blog da JNI em igual estado, e meu twitter recebu apenas hoje alguma coisa nova. De qualquer forma, eu comprei um caderninho.

Mas tem alguma coisa que me fez comprar aquele caderninho.

O preço era abusivo, o produto é importado, as folhas amarelas e ele tem capa dura preta e um elástico. Isso mesmo, é um Moleskine. Tê-lo em mãos me trouxe a possibilidade de ser mais espontâneo e sincero em minhas palavras, economizar frases ridículas, ciber-micos, e twitadas.

Fiz meu primeiro estudo bíblico manuscrito ali, que pretendo transcrever com maiores detalhes para o computador mais tarde. Escrevi poemas. Desenhos ridículos. Mas me colocou pra pensar numa coisa.

Blogs, câmeras digitais, photoshop... tanta coisa que contribui ao mesmo tempo pra nada. Sinto que passamos tanto tempo numa aura de mediocridade, onde qualquer coisa desce. Uma foto de um fotógrafo profissional é hoje desdenhada em prol de inúmeras tentativas com uma câmera de 7 megapixels. Uma postagem de incentivo a "viver a vida" vale mais que um bom texto de Victor Hugo ou Machado de Assis sobre a própria vida.

Poder processar as idéias é uma coisa que está em decadência, por causa de uma pressa mal direcionada.

Mas vou parar por aqui. Não vou discorrer mais ainda sobre um assunto tão batido. Vou pro meu caderninho, onde dá pra pensar sem energia elétrica.

Volto pros cumprimentos de fim de ano.