23 de novembro de 2009

Notas de um fim de semana

Eu costumo ser detalhista sobre meus fins de semana fora do comum igreja-lanchonete, mas hoje, eu vou falar algo diferente. 

Aqui, dentro do meu trabalho, faz um frio lamentável. O Horrível ar condicionado congela a muitos, refresca a outros e é razão de ofensas não declaradas e egoísmo implícito. Voltar aqui, hoje, é como um soco durante um sonho que já estava no final. 

Tudo correu muito bem no meu fim de semana. Sim, excepcionalmente bem. Descobri que tenho mais amigos que eu pensava, mais pessoas que gostam de minha namorada do que eu imaginava. Isso me dá fôlego pra suportar a torcida contra, o tempo ruim, o falatório desnecessário, as cobranças indevidas. Ao rir, eu me sentia vingado de todos os problemas e pessoas que os causaram, como se cada risada lhes causasse dor. E como se cada gargalhada junto com minha moça soasse como afronta. 

É difícil saber que os lugares onde poderia vir apoio vem alçapões, e onde deveria haver luz há um trem sem freios. Mas é interessante descobrir as fontes que jorram água de qualidade excepcional escondidos nos recônditos mais inesperados. Assim, eu creio, que Deus mostra quem Ele é. Apesar do caos instaurado, Ele reina, e seu trono não é uma privada. 

Percebo que as dificuldades e contrariedades podem ter dois usos: razões para desistência ou demonstrações de caminho correto. O que é mais fácil nem sempre é o certo, e o que parece errado nem sempre o é sob outros olhares. Ying-Yang? Não. Mas ao notar que pessoas que enxergam a vida em preto e branco, sem se importar com as tonalidades, escolhas, conseqüências, passados, razões e afins, trnasformam tudo o que tocam em pedras e abrolhos, sem conseguir ver nada além do que seus óculos míopes permitem. 

Somos o que escolhemos ser e isso é fato. Podemos, como prega a psicologia atual, colocar a culpa de nossos fracassos em nossos pais, em nossos genes, usando a vitimização e a neurociência pra isso, e nos eximirmos das culpas que nos cabem. Jogar as razões de escolhas erradas sobre os outros é fácil, e encontrar expiação em quem não pode se defender por não estar mais lá, ou por não mais se importar, é ser covarde. Sim, pais tem influência, mas há a escolha: se deixar ser como eles, ou ser melhor do que eles, e acertar onde erraram, melhorar onde acertaram e construir um legado ainda maior que o que lhe será deixado. 

Saber enxergar o que há por trás de tantas coisas que existem, ações e palavras, ameaças e desejos, é algo que exige tempo e exige paciência. Ambas coisas que poucos têm e menos ainda utilizam, e menos ainda o afiam. 

Nada vai me tirar o prazer deste fim de semana. Nem a cara feia, nem a má vontade, nem a ameaça. O futuro a Deus pertence, e com Ele está em melhores mãos. Eu acredito que Aquele a quem sigo sabe o que está fazendo, e não vai me deixar. Eu sei que Ele preparou este fim de semana tão bom e tão perfeito. Esquecer um detalhe ou outro são inerentes de uma pessoa comum. Seja como for, é nisso que eu acredito.