3 de novembro de 2009

Nerds

Hoje, fui á contragosto pra uma reunião. Tudo bem, quase todas as reuniões que vou são á contragosto. Mas hoje, ue tive uma epifania, ou quase isso. 

Antes de falar da reunião, vou explicar: sou nerd convicto. Gosto de tecnologia, de internet, computadores e celulares. Mas também sou fissurado em carros e motos. Não morro de amores por seriados - só que um mal assisto, Lie to Me - tanto que meus amigos mal se agüentam por Lost ou That '70s Show e coisas assim, e eu não dou a mínima. Gosto de videogame mas não troco os beijos de minha namorada por um God of War. 

Sou nerd sim. Mas consciente. 

Ao entrar na reunião, me senti um personagem do Dilbert, onde ele se mete em situações bizarras dentro de uma grande corporação. Reuniões intermináveis sobre assuntos inúteis ou então louvando algum diretor. No meu caso, fui chamado pra participar de uma coisa assim. 

Querem fazer uma filmagem, usando pessoas DA EMPRESA pra figurarem situações de trabalho, inserindo um teor cômico. Primeiro: eu não vou expor minha cara num evento prum monte de gente de graça. Faço pra amigos, pra diversão. Mas pra gastar meu tempo de trabalho num mico do tamanho do Pará, nem que cocô virasse brigadeiro. Segundo: vou ocupar tempo ocioso do meu trabalho pra cumprir com um capricho desses? Na real: vou levar trabalho não remunerado e dispendioso pra casa pra usar o MEU computador no MEU tempo livre. Eu deixo de ser uma matrícula pra ser PV de novo quando dá 6 da tarde. Nem ferrando. 

Não obstante, duas figuras icônicas. Dois homens, acima dos 25 anos, ou chegando lá muito em breve. Não darei descrições físicas, mas eles estavam empolgados para fazer esse filme, encenar uma ridicularia em prol da empresa. Vem cá, sério, acabamos de sair de um fim de semana; o que fizeram nele que faz uma pagação de mico empresarial tão empolgante e divertida? Estrangeirismos aos montes a cada 6 palavras, adereços fora de idade, aparência sem nenhum cuidado, "a mãe deve ter comprado"... E ali, naquele meio, deslocado e me perguntado "porque eu?", a minha pessoa. 

Ao ver essa situação, numa reunião que duraria 1 hora ou mais, saí. Dei uma desculpa verdadeira e me mandei, pra nunca mais voltar. Se vai ficar legal ou não, não sei, não quero saber. Quando uma pessoa abdica de sua vida pra se envolver em projetos sem noção apenas pra animar uma reunião oficial, alguma coisa está errada. MUITO errada. 

Meus amigos são nerds, mas um namora e o outro, apesar se não saber combinar as roupas, é um cara consciente de que há mais coisas que trabalho. MAIS VIDA, POR FAVOR!!! Chega dessas coisas de "sangue pela empresa" pois isso só te faz mal. A empresa vai te mandar embora assim que for preciso, não importa o quanto você se deu por ela. 

Agradeci imensamente ao meu Deus por ontem: lavei o carro do meu pai, comi um bom churrasco, namorei, fiz um bolo, brinquei com meu quase-filho, e ainda fui a uma festa de aniversário surpresa. Terminei meu dia com um lânguido e delicioso beijo de minha moça, e fui dormir feliz da vida. VIDA. Coisa que algumas pessoas não têm porque acham um PlayStation mais interessante que risadas, um computador mais sedutor que uma mulher, um emprego mais valioso que amigos. 

Hoje, dia três de novembro de 2009, eu agradeci imensamente por não ser como aqueles caras..